BBB 24: Sonia Abrão fala em tortura psicológica a Davi e crítica participantes da edição

Publicado em

Em uma sociedade cada vez mais consciente dos impactos da saúde mental, a tortura psicológica emerge como um tema de profunda relevância no país. No Brasil, as práticas do chamado bullying e o assédio tornaram-se preocupantes e passarem a afetar indivíduos presentes em variados tipos, desde escolas a locais de trabalho e, até, em programas televisivos.

Na noite da última segunda-feira (4), o público que assiste ao reality BBB, testemunhou um caso de tortura psicológica, após a exibição do programa ao vivo. Diante da polemica gerado, o assuntou pautou os principais canais e veículos do noticiário dos famosos, com destaque para programa “A Tarde É Sua“, comandado pela jornalista Sonia Abrão, na Rede TV!, que partiu em defesa ao participante Davi. A apresentadora poupou palavras e exaltou árduas críticas, além de detonar os envolvidos, chamando a atenção para o grave problema. “Isso é uma pressão emocional absurda que não deveria nem ter sido permitida. Isso é tortura psicológica”, afirmou a apresentadora em tom exaltado.

Para a médica psiquiátrica, Dra. Patrícia Pires, o bullying e o assédio são distintos em suas características, que merecem ser destacadas para uma melhor compreensão. “A característica mais comum do bullying é a luta pelo poder diretamente marcada pela intimidação. O agressor humilha sua vítima através de ameaças e do medo, refletindo muitas vezes o seu próprio medo de fracassar. Por outro lado, no assédio, uma pessoa se vale do poder para oprimir, degradar ou até mesmo destruir outra pessoa”, explica a médica.

BBB: Sônia Abrãão fala em tortura psicológica a Davi e crítica participantes da edição
BBB: Sônia Abrãão fala em tortura psicológica a Davi e crítica participantes da edição

De acordo com a especialista, os efeitos causados pelos comportamentos agressivos  são devastadores e resultam na diminuição da autoestima e segurança da vítima. “Transtornos do humor, abuso de substâncias, transtornos alimentares e disfunções sexuais também podem surgir como consequências dessas formas de violência psicológica”, ressalta a médica.

“Um dos fatores mais importantes para proteger as vítimas é o apoio social e familiar. Estudos têm demonstrado que sobreviventes de violência tentam suicídio com mais frequência do que pessoas que não sofreram violência”, finaliza Dra. Patrícia.

Fique por dentro!

Para ficar por dentro de tudo sobre o universo dos famosos e do entretenimento siga o EGOBrazil no Google Noticias ou EGOBrazil no Instagram.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal ou mesmo do Portal iG.

A reprodução deste conteúdo é estritamente proibida sem autorização prévia.

Famosos

Últimas Notícias

Leia Mais

<