Documentário do cineasta Renato Barbieri, ‘Servidão”, chega as telonas do cinema

Publicado em

“Abolição já! A outra não valeu”, é a chamada de Servidão, novo documentário do premiado diretor de Pureza (2022), Renato Barbieri, sobre o trabalho escravo contemporâneo com foco na Amazônia brasileira, que chega com exclusividade aos cinemas, dia 25 de janeiro.  A data é uma homenagem ao Dia Nacional de Combate ao Trabalho Escravo, que completa 20 anos, dia 28 de janeiro.

Lançamento da A O2 Play, distribuidora da O2 Filmes, Servidão tem narração da artista Negra Li. O documentário é um contundente registro sobre uma das maiores mazelas do Brasil. Para o longa-metragem, foram ouvidos trabalhadores rurais escravizados em frentes de desmatamento no Norte do Brasil e abolicionistas de diferentes vertentes. Embora as condições de trabalho análogas à escravidão sejam consideradas crime previsto pelo Código Penal Brasileiro, o regime da servidão é praticado no Brasil desde sempre, há cinco séculos. A Lei Áurea aboliu a escravidão clássica, que dava direito de propriedade e comércio dos escravizados, mas não transformou as relações de trabalho, que perduram até os dias de hoje.

“O filme nasce como uma peça de resistência no combate ao trabalho escravo, com conceitos relevantes de como se opera a mecânica escravagista contemporânea no Brasil e de como a resistência abolicionista vem se organizando e ganhando força ao longo das últimas décadas. Estou certo de que, passados 135 anos da Lei Áurea, caberá a nossa geração o combate e a erradicação do trabalho escravo contemporâneo. Somente com a sociedade como um todo tomando o projeto abolicionista para si, isso será possível um dia e fato é que não podemos mais adiar isso”, declara o diretor Renato Barbieri.

<

“Conforme fui conhecendo ‘em campo’ trabalhadores rurais que haviam sido escravizados, fiz uma seleção de personagens reais para o filme. O exemplo mais emblemático é o maranhense de Pindaré-Mirim Marinaldo Soares Santos, que foi escravizado 13 vezes e liberto em três diferentes ocasiões pelo Grupo Móvel. Também conheci homens e mulheres engajadas na visão abolicionista, profissionais atuantes em diferentes áreas da fiscalização e do combate ao trabalho escravo, como juízes, auditores, procuradores, agentes da sociedade civil e dos movimentos sociais. Todos foram inspirações para a realização de Servidão”, completa o diretor.

“Um documentário como esse, ao inundar a população de informação, acaba adubando ações da sociedade civil, políticos e empresários, exatamente para desferir um golpe no coração do trabalho escravo moderno”, comenta o jornalista Leonardo Sakamoto, que participa do documentário.

Servidão deu subsídios para o roteiro do filme Pureza, com cenas que reproduzem o cenário de escravidão contemporânea, como do trabalhador Marinaldo Soares Santos, personagem principal presente no cartaz oficial do novo documentário, libertado pelo grupo móvel.

Ao longo de 40 anos de carreira, Renato Barbieri tem uma extensa conexão com o cinema de impacto social. O cineasta radicado em Brasília há mais de três décadas, já realizou diversos filmes e séries sobre temas ligados à negritude, africanidade e escravidão moderna, como Pureza e Atlântico Negro – Na Rota dos Orixás.

Chacina de Unaí: a origem do Dia Nacional de Combate ao Trabalho Escravo

<

Data foi criada em homenagem aos fiscais do trabalho Erastóstenes de Almeida Gonçalves, João Batista Soares e Nelson José da Silva, além do motorista Ailton Pereira de Oliveira, assassinados em 28 de janeiro de 2004, vítimas de uma emboscada, na zona rural de Unaí, Minas Gerais, enquanto apuravam denúncias de trabalho análogo à escravidão. José Alberto de Castro, acusado de contratar os executores que mataram os auditores foi condenado a 41 anos e 3 meses de prisão e fazendeiros Antério e Norberto Mânica, acusados de serem os mandantes dos assassinatos, receberam pena de mais de 50 anos de prisão por quádruplo homicídio, triplamente qualificado por motivo torpe, mediante pagamento de recompensa em dinheiro e sem possibilidade de defesa das vítimas. Dia 28 de janeiro de 2024, a chacina completa 20 anos.

“Servidão” tem direção, roteiro e produção de Renato Barbieri, codireção e montagem de Neto Borges, e ainda conta com a presença de importantes personalidades (veja o release completo).

Fique por dentro!

Para ficar por dentro de tudo sobre o universo dos famosos e do entretenimento siga o EGOBrazil no Google Noticias ou EGOBrazil no Instagram.

** A opinião expressa neste texto não é necessariamente a mesma deste site de notícias.

© 2023 EGOBrazil | A reprodução deste conteúdo é estritamente proibida sem autorização prévia.

Famosos

Últimas Notícias

Leia Mais

<