No hospital, filha de Juliano Cazarré completa seis meses: “A alegria é como uma pérola”

Publicado em

Maria Guilhermina, filha de Juliano e Letícia Cazarré, completa seis meses nesta quarta-feira (21). A pequena, que sofre com uma cardiopatia rara, vai celebrar a data no hospital junto dos pais. Na terça-feira (20), o ator publicou uma foto nos stories rezando ao lado do berço da filha.

Letícia Cazarré publicou nos stories uma foto da filha e uma figurinha de seis meses, acompanhada de uma música de parabéns. Além disso, a bióloga ainda compartilhou o que assiste enquanto está com a pequena no hospital. “Melhor série do mundo sai do ar hoje. Foi uma boa companhia nesses meses de UTI”, compartilhou Letícia com seus seguidores, falando sobre “Dirilis: Ertugrul”.

No hospital, filha de Juliano Cazarré completa seis meses: "A alegria é como uma pérola"
No hospital, filha de Juliano Cazarré completa seis meses: “A alegria é como uma pérola”

Maria Guilhermina tem a anomalia de Ebstein e, desde que nasceu, está internada. Antes, a pequena ficava sob observação do Hospital da Beneficência Portuguesa, em São Paulo. Agora, os pais conseguiram transferir Maria para um hospital no Rio, próximo à casa da família.

<

“Depois de seis meses separados, finalmente conseguimos transferir a Maria Guilhermina para um hospital no Rio, próximo da nossa casa! Viemos de UTI aérea, uma viagem muito tranquila em que ela dormiu o tempo inteiro. Céu de brigadeiro! Agora teremos dias de adaptação à nova rotina familiar, ao novo hospital e, por isso, talvez a gente não consiga responder a todos por enquanto”, anunciaram no post informando a transferência de Maria.

O que é a Anomalia de Ebstein?

Segundo o médico Vinicius Menezes, cardiologista da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), a Anomalia de Ebstein é uma cardiopatia rara da válvula tricúspide, que afeta apenas um em cada 10 mil bebês, com distribuição igual entre meninos e meninas.

“Quando ocorre a Anomalia de Ebstein, a válvula tricúspide é malformada e fica posicionada em uma posição muito baixa, permitindo que o sangue escape para trás a partir do ventrículo para o átrio”, explica o especialista.

<

O tratamento, ainda segundo o médico, pode ser feito com medicação que controla a insuficiência cardíaca congestiva ou os ritmos cardíacos anormais. Se a condição da criança for grave, no entanto, pode haver necessidade de cirurgia.

“Com a evolução da Medicina, houve aumento da sobrevida de pacientes com cardiopatias e a recuperação após abordagem cirúrgica nos centros especializados tem se tornado cada vez mais favorável. Eventualmente, os pacientes conseguem viver com baixos sintomas ou sem sintoma nenhum”, conclui Menezes.

Fique por dentro!

Para ficar por dentro de tudo sobre o universo dos famosos e do entretenimento siga o EGOBrazil no Google Noticias ou EGOBrazil no Instagram.

** A opinião expressa neste texto não é necessariamente a mesma deste site de notícias.

© 2023 EGOBrazil | A reprodução deste conteúdo é estritamente proibida sem autorização prévia.

Famosos

Últimas Notícias

Leia Mais

<