Padre Rodrigo Rodrigues: “Ano Novo”

Publicado em

“Em cada verso, um pedaço de mim, em cada palavra, um sentimento sem fim. Há-Braços, o livro que desvenda os laços – Do inacabado que vive em meus passos. A quaresmal trouxe o desafio, 40 manhãs de pura poesia”.

Sem nenhuma manha, firme e persistente o Pe. Rodrigo Rodrigues se dedicou intensamente.

A Editora Palavra & Prece destacou, a experiência de beleza que o livro proporcionou. “Que a alma do leitor seja tomada por encanto, e que os pensamentos sejam envolvidos num manto. Cada verso carregado de ternura, palavras que trazem paz e doçura. Uma obra simplesmente maravilhosa, Que nos transporta para uma dimensão grandiosa”.

<

Então, mergulhe nessa poesia sem igual, adquira “Há-Braços” e deixe seu coração bailar, Pe. Rodrigo Rodrigues nos presenteia com sua arte, um convite para explorar o inacabado que vive em toda parte.

Para aguçar a vontade de adquirir a obra do Pe. Rodrigo Rodrigues, segue uma de suas belas poesias:

Ano novo

Ah… desalegria!

Ex-dona que me tocou roubar…

Roubaste-me de mim.

<

Desalegria…

Quanta desonestidade.

Chegou mansa, breve, quieta e sútil, mas cortou feito gilete amolada de barbearia…

Moça atrevida!

Sem noção!

tu não sabes que no baú do meu angu, só existe espaço par o riso?

Que santa desavergonhança…

Tome tento!

Se coloca no trilho, pois logo o relógio marcará o teu voo…

Sim… voo…

Voa desalegria.

Vai para bem longe do meu espetáculo…

Não existe ingresso para você.

O teu nome não está na lista.

Desalegria…

Arruma tuas malas.

É ano novo em meu coração!

Os fogos dos sorrisos brilham no céu da minha alma.

Parte… parte… vai!

Eu ordeno!

[…]

Ah… alegria…

Bela moça.

Seja mui bem-vinda, nesta terra que tem paçoca, frango caipira, polenta frita na brasa e creme de coentro…

Puxa a cadeira.

Sirva-se de uma bela fatia de bolo de fubá!

És preciosa para mim…

A cereja do meu bolo.

Ah… alegria!”

Acerca da obra de Pe. Rodrigo Rodrigues, o Pe. Joãozinho, SCJ disse: “O conceito das poesias é novo… moderno… temas candentes… nada parnasiano.  O elemento religioso aparece discreto, nobre, quase literário. Não existe o elemento ideológico nem exageradamente temporal. Poemas assim são ternos e eternos. Gosto de neologismos como DESALEGRIA… HÁ-BRAÇOS…

Há uma continuidade de estilo com Cora Coralina, Adélia e João Cabral de Melo Neto. Isso mostra poema com contexto de corrente literária. Gostei. Segue o Poeta que te conduz…”

Também, a poeta e professora Rosidelma Pereira Fraga, Doutora e Pós-Doutora em Estudos Literários – UFG-UFRJ. Autora das obras Poesis em verso e prosa, e Cantares de Amor, da Editora Multifoco, classificou a obra de Pe. Rodrigo Rodrigues da seguinte maneira: “Uma vez que não há pedras no meio do caminho e ela sorriu nos versos do poeta, não resta dúvida de que a obra consagra a memória poética enraizada do cotidiano infantil e vai além da leveza e da lembrança da folga, a exemplo do poema Memórias, porque a maternidade nostálgica surge como uma prosa poética da prole em sua eternidade: A água era o resultado das lágrimas das mães que choram os filhos desaparecidos!” E acrescenta: “Concomitante a essas sagrados do eu-poemático da obra ‘Há-Braços’, o leitor vislumbrará a prosa autobiográfica, (somada no conjunto da obra) arquitetada por um largo estudo e aprendizado do autor com a vida e seu encontro com Deus, bem como um convívio com a humanidade, com a caridade e solidariedade. Imagens essas doravante se somam com a poesia libertária e libertadora”.

Instagram: rodrigorodrigues.pe

Fique por dentro!

Para ficar por dentro de tudo sobre o universo dos famosos e do entretenimento siga o EGOBrazil no Google Noticias ou EGOBrazil no Instagram.

** A opinião expressa neste texto não é necessariamente a mesma deste site de notícias.

© 2023 EGOBrazil | A reprodução deste conteúdo é estritamente proibida sem autorização prévia.

Famosos

Últimas Notícias

Leia Mais

<