Sergio Marone estreia como produtor em “Jesus Kid” e participa no Festival de Gramado

A atuação de Sergio Marone como o icônico personagem Jesus Kid destaca-se em um filme protagonizado por Paulo Miklos, prometendo ser uma aposta promissora no cenário cinematográfico brasileiro.

Sergio Marone, um reconhecido ator brasileiro, encara um novo desafio nos bastidores do cinema ao assumir a produção do filme “Jesus Kid”. Com um roteiro criado por Aly Muritiba, a trama gira em torno de Eugênio, um escritor de faroeste conhecido por dar vida ao personagem Jesus Kid, interpretado por Marone. A história toma um novo rumo quando Eugênio é convidado a escrever um roteiro, sob a condição de se isolar em um luxuoso hotel por três meses, sem nenhum contato com o mundo exterior.

Para além de seu papel como protagonista, Sergio Marone amplia seus horizontes na esfera da produção cultural, buscando investir em projetos além de sua carreira como ator e de seu envolvimento empresarial na indústria de dermocosméticos com a marca Tukano. O filme “Jesus Kid” desponta como um forte competidor na 46ª edição do Festival de Gramado, onde está concorrendo em categorias como Melhor Longa-Metragem de Comédia, Melhor Roteiro Adaptado e Melhor Efeito Visual. Com três vitórias já conquistadas, a produção se revela como uma promissora candidata para a premiação, que ocorrerá em 23 de agosto.

O filme “Jesus Kid”, que marca a estreia de Sergio Marone na produção cultural, promete encantar o público com sua trama envolvente e a habilidade do ator em dar vida ao icônico personagem Jesus Kid. Com um elenco talentoso e um roteiro intrigante, a obra destaca-se como um dos destaques do cenário cinematográfico brasileiro, levando o público a uma jornada emocionante e cheia de surpresas.

Sergio Marone
Sergio Marone

A ideia de produzir o filme “Jesus Kid” surgiu do desejo de trabalhar com pessoas que admiro, como Lourenço Mutarelli, cujo romance foi adaptado para o roteiro. O diretor Paulo Miklos, Mauro Miranda e Leandro Daniel também são profissionais que admiro muito. Foi uma experiência fantástica interpretar o personagem Jesus Kid, um cowboy, o que é algo fora do meu padrão usual de papéis. Meu papel principal foi o de produtor, adquirindo os direitos do romance, convidando o diretor para o projeto e trabalhando para tornar a produção uma realidade.

Minha maior motivação para investir na produção cultural e explorar essa nova faceta além da atuação foi criar uma oportunidade de trabalhar com pessoas que admiro, contando uma história interessante e diferente. “Jesus Kid” é uma comédia que foge dos padrões do cinema brasileiro, trazendo críticas sociais e políticas. Essa temática está alinhada com meus gostos e crenças, de que a arte deve entreter, mas também questionar e fazer as pessoas refletirem. Acredito que o filme foi bem-sucedido nesse sentido.

Trabalhar com Aly Muritiba no roteiro do filme foi incrível. Além de admirá-lo muito, ele é extremamente talentoso e genial. Ele fez uma adaptação do roteiro para os dias atuais, considerando que comprei o romance há quase 10 anos. Foram sete anos de produção do filme, e o humor do romance original de Lourenço Mutarelli talvez não fosse bem aceito nos dias de hoje. Aly ressignificou muito bem a história, trazendo um humor mais atualizado, relacionado ao contexto político do país. Acredito que ele foi muito bem-sucedido nessa adaptação. Minha contribuição para a história foi adquirir os direitos do romance, que é a espinha dorsal da trama. Mantivemos essa base, mas Aly teve total liberdade para criar como diretor autoral e desenvolver o roteiro da forma como acreditava que deveria ser.

O filme conquistou três prêmios no Festival de Gramado, e estou extremamente grato por esse reconhecimento. É uma grande satisfação ver que minha primeira produção como produtor de cinema foi premiada em um dos festivais mais importantes do país. O filme também recebeu prêmios em outros festivais internacionais. Fiquei muito feliz com esse reconhecimento, pois acredito que o filme é uma comédia inteligente e fora do comum. Ele foi realizado com uma direção de arte e uma iluminação incríveis, resultando em uma obra elegante. Considero esses prêmios merecidos e estou muito feliz com eles.

Sergio Marone
Sergio Marone

O filme “Jesus Kid” é uma mistura de comédia e drama. Durante a produção, encontramos o equilíbrio entre esses dois gêneros através do roteiro. Muitas cenas já estavam definidas no texto, mas também surgiram momentos engraçados durante as filmagens. Lembro-me de uma cena em que os três personagens estão na cama, eu, Paulo Miklos e Mauro Miranda, e o diretor pediu que ficássemos em uma posição específica que acabou ficando muito engraçada. O personagem do Paulo, Nicolau, está quase abraçando o meu personagem, dando a impressão de que sou um urso de pelúcia dele. Essa relação é uma parte importante da trama, pois meu personagem, Jesus Kid, é como um herói imaginário para o protagonista Eugênio. Esses elementos de comédia e drama já estavam presentes no roteiro, mas também surgiram algumas coisas durante os ensaios e gravações, o que torna tudo muito mágico.

Conciliar todas as atividades em minha carreira não é fácil. Exige muita dedicação e foco. Por exemplo, mesmo estando em Portugal teoricamente de férias, nunca consigo me desconectar completamente. É preciso estar sempre trabalhando, seja praticando ou pensando em novas ideias e projetos para produzir. Ser empreendedor e artista no nosso país não é uma tarefa fácil quando se deseja ter algum controle sobre a carreira e criar projetos que realmente preencham em todos os sentidos. Mas isso faz parte do desafio, e mesmo não sendo fácil, é gratificante. Faz parte do meu caminho.

Quanto aos próximos passos como produtor cultural, tenho muita vontade de voltar aos palcos e tenho em mente fazer uma coprodução entre Brasil e Portugal no cinema. Além disso, tenho três projetos de televisão em mente. Um deles é um programa um pouco mais documental, rodando o mundo em busca de soluções e pessoas que estão fazendo a diferença no meio ambiente para garantir um futuro melhor para todos nós. Outro projeto é um reality show com influenciadores, e o terceiro é um programa de auditório com uma pegada sustentável. Embora seja voltado para o entretenimento, ele aborda a questão da sustentabilidade como pano de fundo.

Vejo o cenário da produção cinematográfica nacional atualmente como um ótimo momento. Passamos por um período difícil, talvez o pior que já vivemos, especialmente no governo passado, que não apenas perseguiu, mas também criminalizou a cultura e os artistas. Agora, estamos em um momento de reconstrução e retomada. Acredito que o governo atual tem total consciência da importância da cultura não apenas como uma economia que gera empregos e dinheiro para o país, mas também como um “soft power” cultural que pode levar o Brasil para o mundo e construir uma imagem positiva do país. Vemos outros países, como os Estados Unidos e a Coreia, utilizando a cultura como uma forma de abrir portas e fazer com que as pessoas conheçam e se interessem pelo país. Um país sem cultura é um país sem identidade. Portanto, estamos nesse momento de retomada e reconstrução da cultura brasileira, e é importante levar isso para o mundo.

Interpretar o personagem Jesus Kid foi muito divertido porque ele é muito diferente de mim. Como mencionei antes, talvez eu nunca fosse convidado para interpretar esse personagem se não tivesse produzido o filme, porque as pessoas têm ideias pré-concebidas sobre o tipo de personagem que eu posso interpretar. Foi uma desconstrução do Sérgio e foi muito interessante. Tivemos um trabalho minucioso de caracterização, desde a maquiagem para deixar a pele mais manchada e com cicatrizes, até os detalhes do figurino.

Trabalhamos nos mínimos detalhes para desconstruir a imagem glamourizada e fazer um personagem mais sujo e maltrapilho. Coloquei um algodão na boca para projetar o queixo e tive um dente de ouro. Foi um processo colaborativo, com muitas pessoas pensando na construção desse personagem. Ensaiamos durante um mês antes das filmagens, definindo as cenas, os movimentos e a caminhada do personagem. O figurino também foi fundamental para ajudar nessa transformação.

O trabalho corporal foi muito importante. Comecei a fazer um trabalho de corpo um mês e meio antes dos ensaios, para encontrar a postura e os gestos desse cowboy. Também foi fundamental o treinamento do manuseio da arma, já que todo cowboy tem aquelas cenas de sacar a arma e girá-la no dedo. Foi um dos aspectos mais difíceis, pois meu dedo é muito grosso e a arma era muito justa para o meu tamanho de dedo. Cheguei a ter tendinite por treinar tanto com a arma, mas fiquei muito feliz com o resultado. No geral, foi um trabalho minucioso e colaborativo, com atenção aos detalhes e à construção do corpo e dos gestos do personagem. Foi uma experiência muito interessante e estou satisfeito com o resultado.

O público pode esperar de “Jesus Kid” uma comédia muito diferente de tudo que já foi visto no cinema nacional até hoje. É uma comédia com situações absurdas, mas com uma forte crítica social e política. O humor é ácido e inteligente, com grandes atuações. O filme possui uma textura visual elegante, com cores marcantes. Não é apenas porque eu fiz parte do filme e sou produtor, mas acredito que é um filme que precisa ser visto.

“Jesus Kid” registra para sempre um momento que vivemos em nosso país e que nunca deve ser esquecido, para que não se repita novamente. É uma comédia imperdível que exerce a função fundamental da arte, que é entreter e, ao mesmo tempo, questionar. O filme registra momentos históricos e todo o absurdo que vivenciamos nos últimos quatro anos. Sem dúvida, é uma comédia que não se pode perder.

Para ficar por dentro de tudo sobre o universo dos famosos e do entretenimento siga o EGOBrazil no Google Noticias ou EGOBrazil no Instagram.

** A opinião expressa neste texto não é necessariamente a mesma deste site de notícias.

** A reprodução deste conteúdo é estritamente proibida sem autorização prévia.

Ultimas Noticias

Leia Tambem

Leia Mais