Belo cobra antecipadamente por shows para não pagar dívida a Denilson; entenda

O cantor Belo cobra de maneira antecipada, pelos shows nos quais se apresenta, o valor que tem a receber para evitar que o dinheiro seja penhorado para o pagamento de uma dívida dele com o ex-jogador e atual comentarista Denilson. As informações foram dadas pela Ticket360, empresa que gerencia venda de ingresso para eventos e que havia sido intimada a depositar em juízo valores de uma apresentação do artista, segundo o Uol.

Em 2021, a Justiça decidiu que as empresas que realizassem a venda de ingressos para shows de Belo deveriam depositar em juízo o valor arrecadado. A Ticket 360 disse ter arrecadado R$ 279.337,80 com a venda de 1832 ingressos para evento em São Paulo, no dia 31 de julho de 2021, mas não transferiu o dinheiro para Denilson justificando já ter pagado, de maneira antecipada (no dia 28 de junho), o valor do cachê.

A Ticket 360 justificou, então, que não conseguiu transferir os valores por não ter um contrato com o cantor. "Infelizmente, ao que tudo indica, o executado (Belo), ciente de que sofre a presente execução (processo movido por Denilson), não admite receber após a realização do show e exige o pagamento de forma antecipada, de forma a burlar qualquer tipo de penhora!", disse a empresa, segundo o Uol.

Acúmulo de dívidas

Somando mais um capítulo na briga entre Denílson e Belo, que já dura 23 anos, a 5ª Vara Cível de São Paulo, em decisão publicada na última sexta (30) pelo juiz Carlo Melfi, autorizou o músico Alexandre Pereira ter prioridade na penhora dos valores depositados pela Abramus (Associação Brasileira de Música e Artes) referentes a direitos autorais.

Até então, o ex-atacante da seleção brasileira estava sacando os valores depositados mensalmente pela entidade. Com a decisão da Justiça paulista, o músico terá prioridade nos próximos bloqueios, em "crédito privilegiado de cunho alimentício", dentro de uma ação trabalhista de R$ 205 mil movida contra Belo.

A prioridade foi dada a Pereira por ser uma ação trabalhista. O músico destacou que esgotou todas as tentativas de recebimento do crédito naquele processo, não restando outra alternativa. Contudo, o juiz ressaltou que, no momento, não existem valores a serem levantados no processo de Denílson. Belo, que acumulou diversos problemas judiciais ao longo dos anos, teria uma dívida total que já ultrapassaria os R$ 7 milhões, cujo valor ele contesta.

Pereira não foi o único músico a solicitar recebimento de dívida antes do ex-jogador Denílson. Sirley Ferreira teve seu pedido negado alguns dias antes, uma vez que não havia nenhuma comunicação da Justiça do Trabalho para que fossem penhorados valores recebidos pelo ex-atleta.

Esses eventos somam-se com outros problemas que Belo já enfrentou na Justiça. A mais antiga e conhecida das dívidas é com o ex-jogador Denílson, que, em 1999 comprou o grupo Soweto, e, pouco tempo depois, em 2000, processou o cantor por quebra de contrato, quando ele saiu da banda e optou por carreira solo.

Em 2004, Belo foi condenado a pagar R$ 388 mil ao ex-jogador. Contudo, o valor não foi quitado até hoje, acrescido de correção monetária. O cantor justificou o não pagamento alegando que não reconhecia Denílson como detentor dos direitos da banda e afirmando que nunca recebeu aporte financeiro do ex-jogador entre 1999 e 2000.

Até o momento, a defesa do músico calcula que cerca de R$ 1,7 milhão em direitos autorais das músicas de Belo já tenham sido penhorados, recebidos por Denílson com o bloqueio nas contas do cantor nos repasses feitos pela Abramus. Saiba outras dívidas imputadas pela Justiça ao cantor.

Gostou deste story?

Aproveite para compartilhar clicando no botão acima!

Visite nosso site e veja todos os outros artigos disponíveis!

Leia Mais